Terreno

A difícil matemática de comprar um terreno…

O terreno é chão, a terra, o pedaço do planeta sobre o qual você vai construir a sua casa . É algo que não se deve comprar com pressa, desleixo ou apenas porque está custando uma pechincha.

O bom negócio inclui uma observação do local, da região, da facilidade de acesso e da infra-estrutura de serviços . É preciso também levar em conta a inclinação do lote, o caminho da água da chuva , os planos que a prefeitura  tem para região e até o que não se pode observar, como dutos de gás ou óleo escondidos no subsolo. A documentação do imóvel e do vendedor também é fundamental.

Mesmo com tantos alertas, lembre-se  de que só você sabe o que é o melhor no seu caso.

Check-List

Assessoria: As imobiliárias são uma boa porta de entrada para o mundo encantado dos terrenos. Existem corretores de imóveis com conhecimento de engenharia, arquitetura e direito, mas é bastante recomendável contar, pelo menos, com um arquiteto e um advogado – vale investir alguns reais na avaliação antes de fechar o contrato. Sites de imobiliárias na internet podem servir de apoio a pesquisa.

Localização:  Olhe o lote de dentro para fora e de fora para dentro. O que há ao redor? A calçada tem postes? Muitos fios? Antena de rádio ou telefonia muito próximos? Aonde passam as águas pluviais? Existe algum duto de óleo sob o solo? (a Petrobrás  não dá esse tipo de informação, o jeito é falar com vizinhos). Circule pela quadra, pelo bairro, pela região. Parece seguro? Você quer comércio nas proximidades? A rua aparentemente tranqüila  não servirá de atalho entre duas avenidas ou estradas? E o nível de ruído? Visite o lugar durante a noite e repita essa operação de reconhecimento. Apareça também quando estiver chovendo forte. Estude o terreno no mapa – em um guia de ruas, você descobre melhor a vizinhança, como se fizesse um passeio aéreo sobre ela.

Acesso: Se para chegar ao local  você tem de pegar aquela avenida ou estrada de trânsito complicado ou perigoso, pense duas (mil) vezes. Considere ainda a possibilidade de um dia ter de deixar o carro em casa ou na oficina. Há condução fácil? E, para as pessoas da família  ou as que trabalham na sua casa, como fica a situação? E os entregadores de material? E os de pizza?

Infra-estrutura:  Antigamente, isso queria dizer água, luz, esgoto e telefone. Hoje , temos de pensar também em gás encanado, TV a cabo e digital, conexão rápida para computadores, área de cobertura do celular. Converse com os vizinhos do local: eles vão lhe contar toda a verdade. No litoral e no campo, onde a infra-estrutura tende a ser precária, faça uma lista dos serviços não disponíveis e quais as adaptações e soluções possíveis , caso a caso.

Perspectiva de valorização:  Quesito importante para quem acredita que a casa dos sonhos, assim como o amor, é eterno  enquanto dura. Na cidade, o valor dos imóveis tende a subir na proporção da quantidade de serviços disponíveis e das benfeitorias que venham a ser feitas no terreno e em seu entorno. Há casos de urbanização acelerada que tornam a construção desinteressante para uso residencial, porém valiosa para fins comerciais. Um bom corretor pode ajudar nesse exercício de futurologia. No litoral e no campo, a regra pode se inverter: valerá mais lá na frente a área que se mantiver isolada, longe do burburinho e da fumaça. Como negociar a compra de um imóvel, num mercado em que a pechincha prevalece.

Voltar

Compartilhe
[Facebook] [LinkedIn] [Twitter] [Windows Live] [Yahoo!] [Email]