Vamos Construir

Caso se tenha feito um financiamento através da CEF, é recomendável que o mutuário tenha um fundo de reservas  em mãos, recursos que seriam usados como capital de giro. É que, em caso de algum atraso na obra (Provocado por chuvas) a CEF interrompe a liberação do dinheiro, até que o cronograma seja restabelecido.

Para este tipo de construção é recomendável a contratação da obra por empreitada  por preço unitário, ou seja, o cálculo é feito a partir do m2 construído. Neste caso, fica a cargo do mutuário a compra do material e a administração do pessoal. Quem não estiver disposto a ter este trabalho deve contratar por administração, o que eleva o custo em  torno de 15%.

É possível reduzir custos, sem perder qualidade, saber  comprar é uma das formas mais eficientes. Brita, areia, por exemplo, não devem ser adquiridas por m3: custa o dobro do que comprar o caminhão fechado.

Também é preciso racionalizar gastos. Comprar acabamentos antecipadamente, em uma promoção, pode ser bom negócio. Mas de nada adianta ter azulejos e não ter dinheiro para levantar a parede.

Outra questão é saber como e quais materiais estocar. Uma recomendação é que não se guarde mais de 20 sacos de cimento, material que estraga com a umidade.

Em dois itens  não cabe economia: em instalações elétrica e hidráulica .

Uma vantagem da “Construção Individual” é que  sai mais barato erguer um imóvel do que comprar um pronto no mesmo padrão. Além disso, o futuro proprietário poderá ter uma casa a seu gosto e de sua família.

Uma forma de gerar economia, mas o mutuário tem de estar disposto a administrar a obra, ou seja, cuidar de todas as etapas, desde a compra de materiais até o pagamento dos operários. E é claro, optar por revestimentos  mais baratos. Substituir azulejos por pintura e piso de madeira por pisos frios.

Para uma casa de 100m2, será necessária  uma equipe mínima composta por um arquiteto ou engenheiro (pagamento pela tabela do CREA-RJ por seis horas de trabalho); um mestre de obras, que atue também como pedreiro, um pedreiro e três ajudantes.

As pessoas que querem construir, tem muitas dúvidas sobre legislação para construir, até quanto é possível construir e que tipo de acabamento existem e suas diferenças.

Outro ponto de alto interesse é em relação ao cálculo dos gastos. O custo de cada construção varia de acordo com o padrão, o tipo e a destinação do prédio e também a função da forma de construção, da tecnologia aplicada e do tempo disponível para a execução da obra.

É delicado falar em custo médio, que deve ser utilizado com referência, “Se o recurso para construir é restrito, é necessário tomar cuidado na escolha  do terreno para não aumentar o custo da construção.

Os orçamentos consomem  em média 40% para Mão-de-Obra e 60% para  o material. As variações podem ocorrer em algumas circunstâncias. Se, por exemplo, o material escolhido for de custo baixo a proporção da mão-de-obra  subirá. Estas também podem passar por momentos de maior valorização.

É aconselhável a contratação de profissionais (Arquitetos e Engenheiros) desde antes da escolha do terreno. Muitas pessoas se frustram com obras porque não incluem despesas com documentação.

O planejamento é a melhor e mais eficiente ferramenta para construir bem e aproveitar as qualidades do projeto e evitar desperdícios. Não é recomendável iniciar uma obra nos meses de janeiro ou fevereiro, ou melhor, nos meses de maior ocorrência de chuvas em sua região, pois aumentará os  dias de paralisação da obra  devido  as  chuvas.

Voltar

Compartilhe
[Facebook] [LinkedIn] [Twitter] [Windows Live] [Yahoo!] [Email]